25/08/2015
por Douglas Vasquez
Comente!

11056092274_f5083bf60d_k

O livro da foto é “Os Delírios de Consumo na 5ªAvenida” e eu postei mais aqui.

Esse post nem passou perto do meu cronograma do BEDA (que anda um pouco falho, admito) quando eu o montei lá no primeiro de Agosto, na verdade, muitas das coisas que eu planejei postar durante esse mês acabou nem chegando à página inicial. Why, Douglas? O motivo é simples, juro: não deu vontade. Achei alguns temas meio non-sense no final das contas e acabei pulando para outra coisa, enfim, cá estou eu com mais um post-não-programado-mas-que-eu-quero-fazer.

Todo mundo sabe que eu sou o louco das tags, eu adoro (muito) responder perguntinhas e até formular as minhas. Confesso que tenho uma listinha já planejada para responder em vídeo que algum dia sai. Mas vamos ao que interessa: meus hábitos literários!

Achei lá pelo blog dessa vizinha que eu conheci hoje e no calor da euforia já estou escrevendo agorinha mesmo. Partiu?

1. Quando você lê? (manhã, tarde, noite, o dia inteiro ou quando tem tempo) Geralmente eu leio pela manhã, enquanto estou no caminho do trabalho e à noite, quando estou voltando da faculdade para casa. Eu uso transporte público (sim) e já peguei a manha dos horários das linhas, então muito raramente pego ônibus cheio e fico sem ler.

2. Você lê apenas um livro de cada vez? Não consigo entender como alguém consegue ler mais de um livro por vez. Não dá! Eu me sinto traindo um livro com o outro e por mais que a leitura esteja empacada, eu prefiro enrolar um século do que começar a ler outro. Apenas.

3. Qual seu lugar favorito para ler? Não tenho muito dessa também, leio em qualquer lugar, com barulho ou sem, whatever, não ligo mesmo – até em pé eu já cheguei a ler (culpo “After” por isso).

4. O que você faz primeiro: lê o livro ou assiste ao filme? Depende. Quando eu vejo o filme antes de ler o livro, acabo gostando de ambos, mas quando leio o livro antes do filme, acabo botando mil defeitos na adaptação. Mas no geral, prefiro ler antes mesmo.

5. Qual formato de livro você prefere? (áudio-livro, e-book ou livro físico) Comecei a entrar no mundo dos áudio-livros há pouco tempo, mas ainda é muito novo pra mim. Não me dou com e-books, a não ser que eu não tenha outra saída, MESMO. Livros físicos são livros físicos, não preciso nem falar nada, né? É.

6. Você tem algum hábito exclusivo ao ler? Como assim, produção? Alguma coisa que eu faço somente ao ler? Não entendi, missplica! Cheirar o livro conta? E tratar ele como algo que tem sentimentos já que me proporciona tantos? Fica por conta de vocês decidirem.

7. As capas de uma série tem que combinar ou não importa? Eu tenho TOC. Se as capas de uma série saem fora de padrão eu fico me coçando que nem um louco. Se sai uma edição diferente da outra então? Quero matar a pessoa inteligente que aprovou tal atrocidade.

Acho que deu pra matar a vontade e ainda consegui garantir mais um post pro BEDA, yay! Se você também gosta de livros assim como eu, sugiro que responda essa tag fofíssima e mande o link pra mim aqui nos comentários, vou adorar ler!

Minhas redes sociais para quem quiser mais amor:

Facebook ☁ Twitter ☁ Youtube ☁ Instagram ☁ Tumblr 

badge_post_01

COMPARTILHE ESSA POSTAGEM:

24/08/2015
por Douglas Vasquez
Comente!

image

It Takes Two, uma música que depois de muito tempo eu aprendi o significado.

COMPARTILHE ESSA POSTAGEM:

23/08/2015
por Douglas Vasquez
Comente!

Seu coração pertencia a alguém que não podia ficar

Estava absorta pelo som do seu riso enquanto ele jogava todos os travesseiros que encontrava em cima da cama em mim. Eu não havia me dado conta do quanto podia ser divertido colocar tudo para trás e apenas me jogar no momento, eu não fazia ideia de que ainda podíamos nos divertir dessa maneira, mesmo depois de tudo o que passamos juntos.

Ele está vestindo uma camiseta branca e jeans apertados, claro, é bem típico dele. “Senti a sua falta”, disse ele, passando as mãos em seus cabelos longos, colocando-os para trás. “Sabe que eu não conseguia parar de pensar em você, né?”, ele se joga em minha cama enquanto me encara com aqueles olhos verdes. Ele sabe o que faz e nunca perde o jeito. Eu escolho ignorar suas perguntas e apenas concordo com a cabeça, jogando todos os travesseiros de volta para ele. “Eu deveria mandar você embora, agora”, digo quando termino indo em direção ao meu celular que está conectado à pequena caixa de som “Mas por algum motivo, eu só quero focar no momento”, concluo.

Ele se levanta imediatamente quando a música que coloquei começa a tocar, é a nossa música, aquela. Fecho os olhos e me deixo levar pelo som. A sensação é ótima e não me preocupo com a forma que pareço. Nós já terminamos várias vezes, é verdade e por motivos muito mais banais do que você imagina, mas por algum motivo, nós nunca saímos de moda. Talvez eu esteja soando despretensiosamente, mas não nego, gosto da forma como parecemos juntos.

Seus passos são totalmente desajeitados e eu me pego o observando enquanto danço. Também senti a sua falta, sinto a vontade de dizer à ele, mas não posso. Vejo seu casaco jogado perto da minha cama e instintivamente o pego e visto-o. Não é muito grande e seu cheiro é exatamente como eu me lembrava, ou até melhor. Ele sorri pra mim e eu poderia jurar que as cores ficaram mais vivas, sinto um explosão dentro de mim. Ele me leva nas alturas. É assim que devemos nos sentir quando estamos apaixonados, certo?

Fiquei relutante no começo, quando ele chegou até a minha porta confirmando tudo o que eu havia ouvido pela boca de outras pessoas, mas isso não me deixou chateada. Talvez um pouco. Já fazia um bom tempo desde a última vez em que nos falamos. É um círculo vicioso, ele sempre volta para mim e eu sempre volto para ele. Ao invés de fechar a porta em sua cara eu o deixei entrar – e subir para o meu quarto – o som de sua voz combina perfeitamente com esse lugar.

Quando a música atinge o ápice, ele imita os sons da guitarra e faz gestos como se estivesse tocando no topo do mundo. Eu vejo tudo em câmera lenta, a maneira como meu corpo se mexe conforme as batidas da música, os movimentos do meu vestido que fluem com o meu corpo e de relance posso me ver no espelho, por um minuto, é como se nada tivesse mudado. E durante esses sessenta segundos eu desejo que nada mude entre nós, nem as brigas ou a maneira idiota como ele se comporta apenas para me fazer rir, momentos como esse.

Eu não me arrependo de nada e sei que ele também não. Mesmo sabendo que ele irá embora na manhã seguinte.

(PS: O melhor clipe da era toda)

badge_post_01

COMPARTILHE ESSA POSTAGEM:
Enaltecendo a cultura pop desde 2014

Layout por Young Design | Programação por iDVisual Design
BOP TO THE TOP!