03/04/2017
por Douglas Vasquez
comentários

ESTE POST CONTÉM SPOILERS SOBRE A SÉRIE TODA. CONTINUE POR SUA CONTA E RISCO 🙂

Ninguém sabe ao certo quanto impacto tem na vida dos outros. Na maioria das vezes, não temos ideia. E ainda assim, forçamos a barra do mesmo jeito.

A nova série da Netflix, “13 Reasons Why” é muito bem-vinda. Adaptada do aclamado livro de mistério do autor estaduniense Jay Asher, foi publicado no Brasil há alguns anos pela Editora Ática com o título de “Os Treze Porquês” — a razão da decisão da Netflix pela não-tradução do nome da série para o português nunca ficou muito clara. Trazendo Selena Gomez na produção executiva, a cantora sempre esteve bastante envolvida na produção da adaptação da história, tendo início há quase 7 anos atrás, quando ainda estava cotada para interpretar a jovem  protagonista, Hannah Baker.

“Alguns de vocês se importaram. Nenhum de vocês se importou o suficiente. Nem mesmo eu.”

A série é narrada por Hannah através de fitas cassetes, contando os treze motivos pelo qual cometeu suicídio. Em cada fita há duas histórias, dois lados, duas pessoas das quais ela de alguma forma acredita ser responsável pelos acontecimentos em cadeia que a levaram lá. Do ponto de vista de alguém que nunca leu o livro, mas que se conectou com a história em um nível profundo, a trama pareceu muito bem construída ao intercalar os momentos de tensão do presente, enquanto Clay ouvia as fitas em agonia, com o passado lentamente se compondo de cores fortes e vivas até o cinza e as cenas concentradas em ambientes fechados, durante a noite.

Cada episódio é focado em um personagem que é o tema central da fita em questão. Clay Jensen não é o primeiro a receber a caixa com as sete fitas gravadas por Hannah, que devem ser passadas apenas para as pessoas mencionadas, que de alguma forma impactaram em sua vida e por esse motivo, levado pela culpa e desespero, enquanto lentamente ouve o que a jovem tem a dizer ele procura fazer justiça da sua própria maneira questionando os outros e os pressionando para tomarem as atitudes corretas e a honrarem da forma que não o fizeram enquanto ela estava viva.

Katherine Langford interpreta Hannah Baker.

Por quê uma menina morta mentiria?

A história toca em diversos assuntos muito pouco abordados em séries de televisão adolescentes, indo muito além desse estigma sendo interessante também para jovens adultos e adultos em si. É triste o quanto é notável com muita clareza como Hannah vai perdendo o brilho nos olhos enquanto os episódios evoluem. Pisando em ovos de forma extremamente necessária, a Netflix usa e abusa de cenas gráficas fortes quando chega em alguns dos pontos mais importantes da história de Baker: os estupros, o suicídio e as agressões físicas.

Algumas pessoas diriam que Hannah Baker não pode culpar outras pessoas pela sua decisão de terminar com sua vida e elas têm todo o direito de acreditarem nisso. Mas a depressão é uma doença que se desenvolve de forma traiçoeira e não é diferente quando acontece com ela. Aos poucos, começando com o cyberbullying que rotula a jovem recém chegada na atenciosa (só que não) Liberty High de “vadia fácil”, passando pela perda de pessoas que ela considerava amigas, ser objetificada por uma lista degradante e infantil, ver uma pessoa ser estuprada sem saber como ajudar, até o ápice, quando muitas coisas acontecerem de uma vez só, ela chega ao ponto de estar tão entorpecida e mergulhada em seus problemas que não sente mais nada. É uma consequência de diversos sintomas pós-traumáticos, para ela pouco importa.

Se você pudesse, voltaria atrás? 

Me pegou de surpresa temas tão importantes sendo tecido de formas tão reais no decorrer dos episódios. De forma alguma contados de maneira rasa, cada personagem ganha diversas camadas que nos conta que há muitos lados para uma mesma história e que ninguém sabe o que cada um está realmente enfrentando na vida. Os personagens se tornam complexos e profundos e nos tornamos apegados e preocupados também com seus problemas, não procurando justificativas para as atitudes que escolheram tomar, mas genuinamente interessados em entender porquê fazem o que fazem e quem são no íntimo.

Os recortes de uma fase tão importante em nossas vidas é muito bem retratado por também nos mostrar que ela não apenas morreu e deixou um monte de fitas para que as pessoas responsáveis vissem o sentido que suas ações tomaram, mas também por nos introduzir os pontos de vista dos adultos envolvidos na trama. Os pais de Hannah começam a se perguntar se realmente conheciam a sua filha e se havia uma parte obscura dela que deixou dicas sobre seu estado psicológico pedindo por uma ajuda que eles não notaram. O desespero da Sra. Baker, interpretada pela incrível Kate Walsh, é de partir o coração em mil pedaços e sua dor é visível nos paralelos entre presente e passado. A mãe de Clay caminha pela mesma direção, preocupada pelas atitudes repentinas que ele toma após a morte de Hannah, constantemente perguntando a ele de que forma pode ajudar para que ele saiba que não está sozinho.

13 Reasons Why” definitivamente não é uma série para todos os gostos. A sua narrativa arrastada em alguns pontos podem se tornar maçantes e desviar do real foco de todos os treze episódios, mas em contra-ponto, são estes momentos mais lentos que nos proporcionam a profundidade de conhecimento em cada personagem envolvida na história. É uma série muito necessária que toca em feridas que nos dias de hoje ainda são consideradas tabus e em nenhum momento lida esses problemas de forma romantizada, é importante falar sobre depressão, bullying, assédio e suicídio na adolescência e é mais importante ainda mostrá-los como são: nada bonitos, nada divertidos, nem um pouco banalizados. É difícil, desconfortável e revoltante. No fim do dia, todos fomos Hannah Baker. Todos fomos um dos treze porquês de alguém.

E isso não é nada legal.

A Netflix aproveitou a deixa da série e criou um website onde você pode procurar ajuda anonimamente por telefone, ou via internet. “No momento em que você começa a falar sobre isso, tudo melhora.” 

Se você precisa falar com alguém sobre o que está sentindo, acesse: 13reasonswhy.info

GOSTOU? COMPARTILHE O POST:
Enaltecendo a cultura pop desde 2014

Layout por Young Design | Programação por iDVisual Design
BOP TO THE TOP!